Universo Tributário

FIRJAN divulga custo para abertura de empresas no Brasil PDF Imprimir E-mail
Notícias sobre Temas Diversos
26-Jul-2010

O custo para abertura de empresas no Brasil chega a ser mais de três vezes superior ao custo médio encontrado na Rússia, Índia e China

O custo médio para abertura de empresas no Brasil é de R$ 2.038, contra R$ 1.213 na Colômbia, R$ 315 no Canadá e R$ 559 na Rússia. Esse valor varia 274% entre os estados brasileiros, sendo o mínimo na Paraíba (R$ 963) e o máximo em Sergipe (R$ 3.597). O custo do alvará sanitário pode representar até 41% do total, como no Rio de Janeiro.

Os dados são da pesquisa “Quanto custa abrir uma empresa no Brasil?”, divulgada nesta sexta-feira, dia 23, pelo Sistema FIRJAN durante o seminário “Como facilitar a abertura e legalização de empresas no Brasil”, promovido pela Federação e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

“Em um país como o nosso, em plena expansão da economia, nada mais oportuno do que se discutir as possibilidades de se simplificar a burocracia para facilitar a abertura e a legalização de empresas”, disse o vice-presidente da FIRJAN, Carlos Mariani. Ele avalia que o alto custo para se abrir uma empresa no Brasil, que pode chegar a mais de R$ 3 mil, coloca o país na posição 58 da lista de 183 países analisados na pesquisa.

Uma das conclusões do estudo é que o custo para abertura de empresas no Brasil chega a ser mais de três vezes superior ao custo médio encontrado nos outros países do grupo dos Brics (Brasil, Rússia, Índia e China). Considerando o número de empresas abertas em 2008, o estudo aponta que o gasto total no Brasil foi de R$ 430 milhões. A Federação diz que se as taxas brasileiras fossem semelhantes às dos outros países do grupo dos Brics, esse gasto teria sido de R$ 166 milhões.

Experiências de sucesso e propostas de desburocratização

Além do estudo, o evento abordou processos de desburocratização para abertura de empresas e apresentou experiências internacionais de sucesso, como o One-Stop Shop, apresentado pelo especialista da lnternational Finance Corporation, do Banco Mundial, Dobromir Christow. O sistema, já em funcionamento em diversos países, promove a integração entre as instituições e possibilita a abertura de empresas em até 15 minutos, como no caso da Nova Zelândia.

O novo sistema de abertura e legalização de empresas no Estado do Rio, o REGIN, também foi apresentado pelo superintendente da Junta Comercial do Rio de Janeiro, José Luciano da Silva.

Para discutir a questão, uma mesa-redonda abordou as propostas de desburocratização do processo. O debate teve a participação do secretário de Comércio e Serviços do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Edson Lupatini; do presidente do Instituto Hélio Beltrão e diretor da Veirano Advogados, João Geraldo Piquet Carneiro; do superintendente da Junta Comercial José Luciano da Silva; e do especialista Dobromir Christow. A moderação foi feita pelo diretor da Spectrum Química e membro do Conselho de Jovens Empresários do Sistema FIRJAN, Rodrigo Marques.

No evento, a CNI divulgou a “Sondagem sobre Burocracia”, em que 91% dos empresários consultados colocaram o registro de empresas entre um dos maiores problemas que enfrentam. De acordo com o gerente executivo de Pesquisa da Confederação, Renato da Fonseca, a burocracia reduz a competitividade das empresas brasileiras em várias etapas.

“Primeiro, tem o aumento de custo direto porque o empresário tem que contratar contadores, contratar advogados. Se ele não pode fazer isso, vai terceirizar esse serviço. É o que a gente chama de transferência de recursos produtivos para áreas improdutivas, para áreas que vão ficar tomando conta dessa papelada. Outro impacto é que é reduzido o tempo de produção. Isso dificulta que as empresas brasileiras se incorporem em cadeias produtivas mundiais”, ressaltou o representante da CNI.

De acordo com o Sistema FIRJAN, os procedimentos burocráticos para abertura de empresas no Brasil passam por seis a oito etapas, com o pagamento de 12 a 16 taxas e emissão de 43 documentos. Entre as dificuldades levantadas pela Federação está a necessidade de aguardar um procedimento para iniciar outro; a limitada comunicação entre os órgãos; o baixo uso de meio eletrônico; e a necessidade de visitas repetidas aos mesmos locais.

Fonte: Sistema FIRJAN

 
< Anterior   Próximo >
Advertisement

Enquete

Você é favor da criação de uma nova CPMF?
 

Articulistas

Sample image Francisco Gomes Artigos publicados Contato
Sample image Gustavo Barros Artigos publicados Contato
Sample imageSeja um articulista Saiba como!

Nossos Parceiros

Anuncie Aqui!

Assine nosso RSS

Charges

Produtos e Serviços

Depoimentos

Este portal é um importante instrumento para os profissionais das áreas administrativa, tributária e das finanças públicas. Aproveitem!Diego Menezes
O portal Universo Tributário surpreendeu pelo seu conteúdo disponibilizado, pela dinamicidade, pelo seu visual limpo e por ser usual. Parabéns! Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email
Você está aqui:Home arrow Notícias arrow Temas Diversos arrow FIRJAN divulga custo para abertura de empresas no Brasil

In Company

Cursos e Treinamentos customizados para vossa empresa.