Universo Tributário

Arrecadação soma R$ 62,7 bilhões em agosto e é recorde pela décima primeira vez consecutiva PDF Imprimir E-mail
Notícias sobre Finanças Públicas
17-Set-2010

De acordo com a Receita Federal, o principal motivo para o crescimento das receitas é o desempenho da economia, que eleva a produção, as vendas, a lucratividade das empresas e a massa salarial.

Pelo décimo primeiro mês consecutivo, a arrecadação federal bateu recorde. Segundo dados da Receita Federal, a arrecadação somou R$ 62,721 bilhões em agosto. Se for levada em conta a inflação pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a alta é de 15,32% em relação ao mesmo mês do ano passado.

No acumulado do ano, as receitas totais do governo somam R$ 513,8 bilhões, 12,59% a mais que nos mesmos meses de 2009 também considerando o IPCA. Parte dos números havia sido adiantada pelo secretário da Receita, Otacílio Cartaxo, na última terça-feira (14), mas os dados completos só foram divulgados nesta quarta-feira (15).

De acordo com a Receita, o principal motivo para o crescimento das receitas é o desempenho da economia, que eleva a produção, as vendas, a lucratividade das empresas e a massa salarial. As receitas que mais aumentaram em 2010 foram a arrecadação da Previdência Social, que cresceram R$ 2,486 bilhões em agosto na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Em relação aos tributos, as receitas que mais puxaram o crescimento nesse período foram o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), com alta de R$ 2,368 bilhões em relação ao ano passado. As receitas da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), imposto ligado às vendas e ao faturamento, subiram R$ 2,368 bilhões.

Em termos percentuais, no entanto, o imposto com maior alta na arrecadação foi o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), com aumento de 39,51%. De acordo com a Receita, o principal fator para essa variação foi a taxação de IOF sobre o capital estrangeiro que entra no país, em vigor desde outubro do ano passado.

No acumulado do ano, as receitas que mais cresceram foram a da Cofins e do PIS/Pasep, com alta de R$ 15,593 bilhões. Em seguida, vêm as receitas previdenciárias, com incremento R$ 14,075 bilhões, e o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que subiram R$ 4,237 bilhões de janeiro a agosto.

Fonte: Agência Brasil

 
< Anterior   Próximo >
Advertisement

Nossos Parceiros

Anuncie Aqui!

Assine nosso RSS

Charges

Produtos e Serviços

Você está aqui:Home arrow Notícias arrow Finanças Publicas arrow Arrecadação soma R$ 62,7 bilhões em agosto e é recorde pela décima primeira vez consecutiva

In Company

Cursos e Treinamentos customizados para vossa empresa.