Universo Tributário

Critérios do MEC inviabilizam pagamento de piso dos professores pelos Municípios PDF Imprimir E-mail
Notícias sobre Finanças Públicas
11-Nov-2009

Estudo da Confederação dos Municípios aponta que apenas 26 cidades atendem requisitos para receber repasse do governo a fim de complementar o pagamento do piso.

Uma portaria do Ministério da Educação (MEC) com critérios para repasse de recursos da União a estados e municípios coloca em risco o pagamento integral do piso nacional dos professores, de R$ 950, a partir de janeiro de 2010. A conclusão é de um estudo da Confederação Nacional dos Municípios, apresentado em audiência pública da Comissão de Educação e Cultura nesta terça-feira.

Na presença de vários prefeitos, a representante da confederação, Selma Maquiné, afirmou que a Portaria 484/09 cria um funil em que apenas 26 municípios conseguem passar, atendendo as regras estabelecidas pelo governo para receber verbas complementares da União ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) a fim de pagar o piso. De acordo com Selma Maquiné, o estudo aponta ainda que 16 estados não têm condições contábeis de atender o que pede a portaria.

A norma exige que os entes federados beneficiados pela complementação apliquem pelo menos 30% da receita resultante de impostos, incluindo as transferências constitucionais, na manutenção e no desenvolvimento do ensino; preencham completamente as informações requeridas pelo Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope); cumpram o regime de gestão plena dos recursos vinculados à manutenção e ao desenvolvimento do ensino, de acordo com as regras da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (9.394/96); apresentem planilha de custos detalhada, demonstrando a necessidade e a incapacidade para o cumprimento do valor do piso; e apresentem majoritariamente matrículas na zona rural, conforme apurado no censo anual da educação básica.

"A única preocupação que hoje os municípios têm é de não poder contar com os recursos da União da forma pensada e idealizada pelo Congresso. Porque o que está escrito [na portaria] remete a outros critérios, infelizmente", destacou.

Selma Maquiné defende a revisão dos critérios de atualização do piso salarial dos professores para evitar o descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal por parte dos municípios.

Sensibilidade do governo

O deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), que pediu a audiência pública, espera a compreensão do governo. "O objetivo foi rediscutir esses critérios. Esperamos que o governo se sensibilize em função da crise econômica por que passam os pequenos municípios do País, que na sua maioria não têm condições de pagar a integralidade do fundo a partir de janeiro." Marinho ressaltou que, na aprovação na Câmara da Lei 11.738/08, que institui o piso, foi um dos autores da emenda determinando que o governo ajude municípios e estados com menor condição de aporte de recursos que apresentem demonstração contábil dessa situação.

A Comissão de Educação e Cultura fará nova reunião com representantes do Ministério da Educação em busca de uma solução que minimize o problema.

Fonte: Agência Câmara

 
< Anterior   Próximo >
Advertisement

Nossos Parceiros

Anuncie Aqui!

Assine nosso RSS

Charges

Produtos e Serviços

Você está aqui:Home arrow Notícias arrow Finanças Publicas arrow Critérios do MEC inviabilizam pagamento de piso dos professores pelos Municípios

In Company

Cursos e Treinamentos customizados para vossa empresa.